Notícias

CPI da Covid aprova nova convocação de Marcelo Queiroga

Esta é a 3ª vez que ministro é convocado. Decisão foi tomada no mesmo dia em que órgão da Saúde adiou análise de estudo contrário ao uso da cloroquina para a Covid; droga é ineficaz.

A CPI da Covid aprovou nesta quinta-feira (7) uma nova convocação do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Esta é a terceira vez que a CPI convoca o ministro.

 

A decisão foi tomada no mesmo dia em que a Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde, órgão consultivo do Ministério da Saúde, retirou da pauta a análise de um estudo de especialistas contra o uso de cloroquina contra a Covid. A droga é comprovadamente ineficaz para a doença.

 

O vice-presidente da CPI, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), afirmou que o presidente Jair Bolsonaro interferiu para a retirada de pauta. O Ministério da Saúde afirmou que a análise do estudo foi retirada da pauta a pedido dos próprios autores.

 

Durante a votação do requerimento de convocação do ministro, senadores reclamaram que Marcelo Queiroga não respondeu aos questionamentos encaminhados pela comissão na última terça-feira (5).

 

Os questionamentos visavam esclarecer qual a estratégia do ministério para a vacinação em 2022. A medida havia sido anunciada como uma alternativa à necessidade de um novo comparecimento do ministro à CPI.

 

Os senadores haviam estipulado um prazo de 48 horas para a manifestação de Queiroga.

 

 

 

Viagem aos EUA

 

Queiroga chegou ao Brasil no último dia 4, após ter viajado com o presidente Jair Bolsonaro para Nova York (EUA), onde Bolsonaro discursou na Assembleia Geral das Nações Unidas.

 

A viagem foi marcada pelo fato de Queiroga ter contraído Covid e pelo gesto obsceno do ministro da Saúde em direção a pessoas que se manifestavam contra Bolsonaro.

 

 

Depoimentos anteriores

 

O primeiro depoimento de Queiroga à CPI da Covid aconteceu em 6 de maio. Na ocasião, o ministro evitou responder sobre alguns temas, entre os quais cloroquina, tratamento precoce e declarações de Bolsonaro sobre a pandemia, o que irritou os senadores da comissão.

 

O segundo depoimento aconteceu um mês depois, em 8 de junho. Novamente questionado sobre temas como cloroquina, disse que essas discussões são "laterais".

 

Embora o remédio seja comprovadamente ineficaz contra a Covid, o presidente Jair Bolsonaro frequentemente recomenda o uso do medicamento.

 

Dois antecessores de Queiroga, Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich, deixaram o cargo justamente diante de divergências com Bolsonaro sobre temas como uso da cloroquina.

 

FONTE: G1