Notícias

Acidente mata empresário que caiu em 'pegadinha' no réveillon e apareceu com roupa igual à dos amigos

A moto que Alan Xavier pilotava foi atingida por uma caminhonete em Cuiabá. Há 4 dias, mulheres combinaram secretamente que todos os maridos usariam roupas iguais na festa da virada.

O empresário Alan Vinicius Barcelos Xavier, de 33 anos, morreu em acidente na Estrada do Moinho, em Cuiabá, na noite dessa terça-feira (4). Há quatro dias, ele e os amigos caíram em uma pegadinha que fez sucesso nas redes sociais. O vídeo da brincadeira tramada pelas esposas mostra ele e outros maridos chegando com roupas iguais a uma festa de réveillon em Sorriso, no norte de Mato Grosso.

 

Os homens não sabiam que iriam usar roupas iguais e a reação de cada um que chegava ao local chamava a atenção.

 

 

Segundo a empresária Bruna Previatti, de 30 anos, que organizou a brincadeira, Alan estava feliz pela repercussão da trolagem.

 

“Perdemos nossa maior alegria. Ele estava tão feliz se sentindo famoso. Hoje foi brilhar no céu”, contou.

 

 

 

Ela teve a ideia da brincadeira ao ver um vídeo internacional e combinou com as mulheres da família para fazerem o mesmo. Elas compraram camisetas listradas iguais para os maridos usarem na festa de réveillon.

 

O momento em que cada um deles ia chegando na casa foi gravado e postado nas redes sociais. As imagens logo se espalharam, alcançando quase 5 milhões de visualizações.

 

Alan também era conhecido pelo apelido de Gago. Nesta quarta-feira (5), a família postou uma montagem com a foto da brincadeira do Réveillon.

 

“Essa foto era tão colorida, mas hoje ficou tudo preto. Estamos em luto por você, Gago”, diz a legenda.

Acidente

Alan pilotava uma moto quando foi atingido por uma caminhonete, na noite dessa terça-feira (4), e morreu antes do socorro chegar. O motorista do veículo fugiu do local após a batida.

 

De acordo com testemunhas, um terceiro carro também foi atingido, mas não houve registro de feridos. A Delegacia Especializada de Delitos de Trânsito (Deletran) investiga o caso.

FONTE: G1